Resenha: Príncipe do Deserto (Novos Contos de Fadas #3) - Elissande Tenebrarh

10 junho 2019

Edição: 1
Editora: Portal Editora
ISBN: B01MT189X6
Ano: 2016
Páginas: 360

Compre AQUI (E-book Kindle) / Versão Impressa

Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse: Arábia, 1860.“Ela se tornou cativa de seu próprio coração.”
Filha de um dos maiores arqueólogos da Inglaterra, lady Louise decide tomar as rédeas de sua vida ao se aventurar nas terras insólitas das Arábias, apenas com sua pequena equipe como companhia.
Durante uma importante escavação, a qual pode tornar Louise reconhecida na sociedade de arqueologia, a jovem é atacada por um grupo de salteadores que está em busca de tesouros. A única sobrevivente do ataque, debilitada e prestes a ser morta, é inesperadamente resgatada por um homem vestido com uma túnica negra, que não revela seu rosto e que está montado em um exótico animal.
Said não imaginava deparar com aquela cena, com aquela mulher à beira da morte e, honrando sua posição, fez a única coisa correta; salvou-a. Mas a mulher era tão bela e encantadora, que ele não viu outra opção para controlar seu desejo senão declará-la sua propriedade.
Agora cativa do Príncipe do Deserto, poderoso Sheik mestiço, Louise descobre que precisa de forças suficientes para lutar não somente contra a ira de seu senhor, mas também contra o desejo arrebatador que sente por ele.


Elissande Tenebrarh é uma das autoras nacionais que sempre tive vontade de ler. Tenho os dois primeiros e-books dessa série (Novos Contos de Fadas), mas infelizmente, só consegui ler este volume. Não foi uma leitura ruim, mas tbm não entrou para minha lista de preferidos. Depois de tanta espera, acabei de decepcionando e desejando mais.
" - Iria me permitir voltar? - Rebateu, olhando-o nos olhos.
- Não, não irei. - Said a encarou. - A situação pode ter mudado, mas ainda continua sendo minha, Louise. Seu corpo, seus pensamentos e seu afeto são meus."
Príncipe do Deserto é uma versão de As Mil e Uma Noites, outro livro que não li, ainda! No começo, a leitura foi bem arrastada e dificilmente eu conseguia me prender a história. Por diversas vezes, voltei o capítulo para relê-lo, pois perdia o foco facilmente. Da metade do livro em diante, consegui me familiarizar mais com os personagens, apesar de ainda não gostar de Said, e finalizei a leitura sentindo que a leitura foi boa, mas poderia ser melhor.

Said e Louise só me deixavam alerta quando se encontravam e o fogo que ardia entre eles, queimava. Fora isso, Said se mostrou um machista nato, um homem que nunca foi contrariado, dono de um reino onde todos o obedece cegamente. Mas ai, vc pode me dizer: "Ana, a história se passa em 1860, na Arábia! Os costumes deles são diferentes e tals..." mesmo assim, Said me tirou do sério. Não consegui, de maneira nenhuma, sentir atração ou simpatia por ele.
"O que poderia haver de errado em uma mulher se interessar por arqueologia, em deixar de comparecer a bailes e saraus para infiltrar-se nas reuniões secretas do pai? Ela realmente acreditava que não havia nada de mau nisso, embora os noivos não pensassem da mesma forma."
Com Louise foi diferente: uma mulher a frente de seu tempo, que fugiu de sua casa na Inglaterra para se aventurar. Descobrir uma cidade a muito perdida era seu foco, mas acabou sendo salteada no deserto e por pouco não morreu, sendo salva por Said.
Louise é maravilhosa! Uma mulher guerreira que lutou com todas as suas forças para não cair nas garras do sheik, mas que foi vencida por seu próprio coração. Não a julgo, só sinto pena! rsrsrsrrs

Como um todo, o enredo cumpre o que promete. Tem uma boa pegada hot, então se prepare para arfar e suar sempre que esses dois se encontrarem! As cenas eróticas são bem descritas e o linguajar é adequado, nada esdruxulo ou melado demais. O romance entre eles demora a acontecer, o que deixa tudo mais intenso pois, a princípio, o sheik só quer uma concubina e Louise quer seduzir o sheik para fugir do palácio.
"Na verdade, Said já não sabia mais o motivo pelo qual insistia em ter aquela mulher que se mostrava tão avessa às suas ordens. Poderia resolver seu problema facilmente, somente indo até algum acampamento e solicitando uma mulher que estivesse disposta a uma noite quente com o poderoso Sheik de Hamed... Entretanto, ali estava ele, com o corpo queimando de desejo enquanto a maldita estrangeira dormia tranquilamente em seu quarto com a certeza de que não seria usada naquela noite."
A narrativa é em terceira pessoa e abrange todos os acontecimentos entre os personagens, assim podemos acompanhar o desenvolvimento do sentimento entre eles e como um se sente tendo o outro perto. A edição está incrível: a capa condiz com o enredo e é linda demais, a revisão tbm está boa, encontrei poucos erros, nada que prejudicasse minha leitura. O cuidado da editora ao criar o livro mostra que está pronta para deixar os leitores babando por suas obras.

Por fim, só posso indicar para todos que curtem romances e conto de fadas. Ao contrário da Disney, Elissande promete despertar outro tipo de magia em nossos corpos! hehehehehe



Sobre a autora:



Elissande Tenebrarh, tem 23 e mora em um sítio no interior do Paraná.
Começou a escrever no final de 2013, e em 2014 publicou seu primeiro livro intitulado O Pecado de Emerlly.
Escreve romances contemporâneos, mas sua grande paixão são os romances de época. É eles que a fazem feliz, e a fazem acreditar que esta nesse mundo para isso.
Seus livros são cheios de romantismo e cenas sensuais, além de um tiquinho de comédia. O leitor se divertirá ao viajar por suas histórias.




Nenhum comentário:

Postar um comentário