Resenha: A Era dos Mortos (As Crônicas dos Mortos #5 - Parte 1) - Rodrigo de Oliveira

12 abril 2018


Edição: 1
Editora: Faro Editorial
ISBN: 9788595810068
Ano: 2018
Páginas: 208

Compre AQUI.

Livro cedido em parceria com a editora
E OS HUMANOS DESCOBREM QUE A PIOR DESGRAÇA NÃO SÃO OS ZUMBIS...
Vários anos se passaram desde que Uriel, agindo como um tirano, assumiu o controle da maior colônia de sobreviventes do apocalipse zumbi na Terra.
Ivan, Estela e quase todos os seus aliados estão mortos. Do grupo original, apenas Isabel, Mariana e alguns poucos conseguiram escapar de Ilhabela. E a cada dia, a fome de poder de Uriel e de seu filho, Otávio, aumenta, tornando a vida dos sobreviventes ainda mais penosa. O trabalho escravo se torna a regra. A cobrança de mais e mais tributos e a imprevisibilidade do poder central mantêm todos em constante alerta.
Otávio, que passou anos realizando pesquisas médicas, finalmente consegue um meio de controlar os bersekers, os zumbis monstruosos, transformando-os em cães de caça. É a sua forma de assegurar a permanência no comando da comunidade, mas também de destruir, pelo medo, qualquer intenção de resistência. Então, ele produz algo ainda pior, uma criatura feroz e diabólica com o poder de destruição em massa.
Há muito em jogo. O governo central ainda considera Isabel uma grande ameaça, seja viva, ou morta-viva, o que poderia transformá-la numa nova Senhora dos Mortos. Mas, duas crianças chamam a atenção de Isabel que decide prepará-las para batalhas ainda mais sangrentas. Serão elas a esperança para o fim daquela era de medo e destruição?
A derradeira batalha está para começar, mas os inimigos, humanos e zumbis, também têm suas surpresas.
Sejam bem-vindos a uma nova era de horror e violência. Esta é... a Era dos Mortos.


É muito difícil escrever uma resenha de uma continuação e, assim que eu comecei a ler A Era dos Mortos eu fiquei pensando: "como é que eu vou fazer essa resenha?". Mas depois de lê-lo, eu creio que o leitor vai gostar do que vai encontrar e também vai ficar muito puto com autor como eu fiquei! Então vamos lá:
"Uriel tinha quarenta anos quando traçou um ambicioso plano para matar Ivan, seus filhos e aliados. Talvez por ele ser cego ou por ocupar a posição de vice-prefeito de Ilhabela, o fato é que ninguém desconfiou do homem educado e gentil que sempre se apresentara como o braço direito de Ivan, o líder da comunidade. Por todas essas razões, quando Uriel aplicou seu golpe fatal, ninguém teve tempo de reagir. Milhares de indivíduos encontraram a morte através da horda de zumbis que Uriel conduziu à Ilhabela."
A Era dos Mortos começa nos apresentando Sarah, uma garota de 10 anos que está fugindo de uma horda de zumbis. O mundo ainda sofre o apocalipse total; zumbis dominaram a terra e alguns focos de sobreviventes espalhados pelo mundo conseguem resistir. Ilhabela virou o Distrito Federal do Brasil. Depois da morte de Ivan, Uriel tomou o poder e faz tudo o que quer. A sede de poder e controle de Uriel é tão grande que tudo o que Ivan e Estela construíram, ele arruína para seu deleite. A chamada para a leitura desse livro nunca foi tão verdadeira: Os humanos descobrem que a pior desgraça não são os zumbis. O maior problema são os humanos mesmo. Eu acredito que, em toda a série, o autor quis mostrar isso para gente: que mesmo estando de frente para a destruição total da humanidade, o ser humano consegue ainda ser pior do que esses seres. Claro que, nesse livro não foi diferente, esqueça os embates passados, acredito que o autor tenha criado o pior dos vilões, uma pessoa vil que usa religião e ciência como fachada para atrocidades e maldades nunca vistas.

Como disse, este volume é um recomeço, todos os personagens que acompanhamos desde O Vale dos Mortos já se foram. Isabel a última sobrevivente de São José dos Campos está uma senhora quase centenária mas nem por isso deixou de demonstrar todo o seu poder e toda a força de vontade. 
Com a morte de Estela e Ivan, foi necessário dar aos leitores novos personagens personificando o já tão saudoso casal, e é ai que conheceremos Sarah e Fernando, duas crianças que nós leitores entendemos o porquê de serem especiais, mas eles não. Eles vão se tornar a peça fundamental para o desfecho dessa história no próximo livro.
Impossível não se encantar por Sarah e Fernando. Logo que comecei a leitura e descobri que Sarah tinha somente 10 anos, me desesperei. Não sou fã de crianças em livros/filmes de terror, é meio que mórbido demais até pra mim! rsrsrsrs Mas... Rodrigo supera minhas expectativas novamente e cria personagens únicos, que carregam o cargo de vidas passadas mesmo sem saberem e, independente da pouca idade, são personagens complexos e atraentes, sem perder a inocência infantil.
“- Tentem se acostumar, será assim todos os dias! Eu vou deixar vocês fortes o suficiente para, no futuro, conseguirem quebrar o pescoço de um adulto com as próprias mãos, seja ele um zumbi ou humano, mesmo que ambos estejam sem dormir numa trincheira há dias!”
Outro ponto importante para ressaltar é o governo político incrementado pelo autor. Há semelhanças com a situação atual do Brasil? Sim, muitas! Não gosto de política, mas na nossa atual situação, é bem interessante ler um livro onde podemos identificar situações parecidas e, mesmo que seja enredado em um apocalipse zumbi, vermos as reações do povo que aceita e daqueles que lutam contra. 

Como um todo, não posso reclamar. Rodrigo trouxe tudo o que eu esperava: ação do começo ao fim, suspense, sangue e, como em todos os volumes anteriores, uma lição de vida que vale a pena ser lida e repassada. Cada personagem feminina criada por Rodrigo é especial a seu modo e, cada uma delas sofre por ser mulher em um mundo dominado por homens. 
Minha reclamação recai somente no número de páginas. Sério isso? Só 208 páginas???? Isso é maldade. Eu ficaria muito feliz com um único livro, mas neh? Bora esperar a parte 2 e quase morrer de curiosidade... rsrsrsrsrs
"E nesse momento Isabel entendeu tudo. Aquele homem era realmente louco: ele criara, de propósito, uma aberração mortífera com as próprias mãos."
A edição da Faro, como sempre, está de arrasar. Todos os livros da série seguem o mesmo parâmetro de qualidade. A capa dessa edição está completíssima, condizente com o enredo apresentado e todos os sentidos possíveis. A diagramação é simples, mas bem feita e sem erros aparentes. 
A editora capricha em seus livros e é por isso que está ganhando um espaço mais que merecido nas livrarias do Brasil.

Resenha dos livros anteriores:




Sobre o autor: 




Rodrigo de Oliveira nasceu em 1976 em São Paulo, capital. Reside em São José dos Campos, interior de São Paulo. É casado e tem dois filhos.

Técnico em publicidade e propaganda, cursou Publicidade na Universidade Metodista e é graduado em Gestão de Tecnologia da Informação pela Universidade Paulista.

Além de escritor também atua como Arquiteto de Sistemas Sênior em São Paulo e é certificado especialista em gerenciamento de projetos pelo Project Management Institute sediado na Filadélfia/Pensilvânia.