Li até a página 100 e...

02 janeiro 2018


Olá, pessoal! Tudo bem com vocês?
Hoje vamos falar sobre a minha leitura atual. Um livro extremamente denso e com uma bagagem emocional enorme. Curiosos?

Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.



Primeira frase da página 100:
" - Você vai a uma festa de faculdade? - Ele fez que não gostou."

Do que se trata o livro:
Laurel é uma menina assombrada pelo passado. Depois da morte da irmã mais velha - quem ela idolatrava - ela começa a escrever cartas para pessoas famosas mortas, como Kurt Cobain, e deixar todos os seus medos e anseios fluírem para essas paginas que nunca vão ser lidas. Para evitar perguntas que ela não quer responder, Amy decide começar o ensino médio em uma nova escola. Essa decisão faz com que ela precise lidar também com a necessidade de se ambientar e fazer novos amigos.

O que está achando até agora:
Muito bom! Até então a morte de May é quase um mistério. Mas a profundidade de Laurel está me encantando.

O que está achando do protagonista:
Fantástica! Superando as expectativas para um protagonista adolescente.

Vai continuar lendo?
Obvio!

Melhor quote até agora:
“Todos nós queremos ser alguém, mas temos medo de descobrir que não somos tão bons quanto todo mundo imagina que somos.”
Última frase da pagina 100: 
"Finalmente, como ultimo recurso, decidi ligar para a minha mãe e pedir para ela falar com a tia Emy para me deixar dormir na casa de uma amiga."

Logo logo tem resenha aqui no blog com a minha opinião completa!!