Resenha: O Iluminado - Stephen King

23 novembro 2017


Edição: 1
Editora: Suma de Letras Brasil
ISBN: 9788556510464
Ano: 2017
Páginas: 520
Tradutor: Betty Ramos De Albuquerque


Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse: “O lugar perfeito para recomeçar”, é o que pensa Jack Torrance ao ser contratado como zelador para o inverno. Hora de deixar para trás o alcoolismo, os acessos de fúria, os repetidos fracassos. Isolado pela neve com a esposa e o filho, tudo o que Jack deseja é um pouco de paz para se dedicar à escrita. Mas, conforme o inverno se aprofunda, o local paradisíaco começa a parecer cada vez mais remoto... e mais sinistro. Forças malignas habitam o Overlook, e tentam se apoderar de Danny Torrance, um garotinho com grandes poderes sobrenaturais. Possuir o menino, no entanto, se mostra mais difícil do que esperado. Então os espíritos resolvem se aproveitar das fraquezas do pai... Um dos livros mais assustadores de todos os tempos, O iluminado é um clássico de Stephen King. Edição especial com tradução revisada e prólogo e epílogo inéditos.


Sim, podem me julgar. Para uma adoradora dos livros do gênero, eu ainda não havia lido O Iluminado e nem assistido ao filme. O motivo? Não assisti ao filme porque queria ler o livro antes. Não li o livro antes porque eu não o tinha! rsrsrsrsrs
Finalizada essa questão, consegui (finalmente!!!) ler este clássico maravilhoso do meu querido Mestre Stephen, e não poderia ter sido em melhor edição: A Suma de Letras arrasou! O livro está lindo demais e perfeito para os colecionadores!
“O mundo é um lugar duro, Danny. Não se importa com a gente. Não odeia a você, nem a mim, mas também não morre de amor por nós. Coisas terríveis acontecem no mundo, e são coisas que ninguém pode explicar. Indivíduos bons morrem de forma ruim e dolorosa e deixam as pessoas que os amam sozinhas. As vezes, parece que só as pessoas ruins permanecem sadias e prósperas. O mundo não ama você, mas sua mãe o ama e eu também.”
O título do livro refere-se ao personagem Danny Torrance, filho de Jack Torrance, um menino com a característica de iluminado, pois é sensível a influências psíquicas. Danny é sensitivo, ele sonha com acontecimentos onde não esteve presente e com algumas situações que ocorrerão no futuro. Ele também consegue ler a mente das pessoas. Com apenas 5 anos, esse garotinho já passou por muita coisa e está prestes a enfrentar a pior delas.
Jack Torrance deseja ser escritor; tem alguns problemas com bebida e, ao passo que tenta deixar a bebida de lado depois de perder seu último emprego, Jack é contratado para ser zelador do Hotel Overlook durante o rigoroso inverno do Colorado. Assim, Jack, Wendy sua esposa, e Danny se mudam para o hotel para passarem os cinco meses de inverno durante os quais o hotel estará fechado. Assim que o inverno chega, os 3 estão isolados e sozinhos no hotel. 
O Overlook tem uma história própria e eventos sobrenaturais costumam acontecer no lugar. Danny sabe disso e se mantém longe do fascínio imposto pelo hotel para influenciá-lo, mas Jack, com sua personalidade abalada, deixa-se levar, colocando em risco sua vida e a de sua família.

Ao contrário do que a obra induz, "O Iluminado" aborda medos muito mais humanos e naturais, como a necessidade de superar obstáculos e de admitir seus próprios erros. Tanto Jack como Wendy vêm de famílias problemáticas, nas quais ambos tiveram um relacionamento de abuso e ausência com um dos pais e ambos tentam a todo custo se libertar deste círculo vicioso para que possam ser alguém melhor. Enquanto Jack luta contra o alcoolismo e a raiva (herdados pelo pai alcoólatra), Wendy luta contra o cinismo e a apatia que são reflexos de sua própria mãe.
Danny é um garotinho expressivo e inteligente. Ele sabe o que acontece em sua volta e guarda diversas coisas para si. Ele prefere sofrer sozinho do que chatear um dos pais. 
"Era o lugar que vira no meio da tempestade de neve, o lugar escuro do estrondo, onde uma criatura incrivelmente familiar procurava-o pelos corredores cobertos de mato. O lugar contra o qual Tony o havia alertado. Era aqui. Fosse o que fosse, REDRUM seria aqui."
A escrita do autor é maravilhosa! Claro que tem aquelas partes maçantes, onde ele explica mais do que realmente tem de ação, mas mesmo assim, quando o leitor pega o ritmo da leitura, não quer mais largar. Sem contar que é terrivelmente assustador, tanto pelo medo sobrenatural quanto pelo medo real. É aquele tipo de livro que, ora você quer continuar lendo para saber o que acontece, ora quer largá-lo e sair correndo, mas mesmo assim, não consegue tirar a história da cabeça.

A narrativa é em terceira pessoa e acompanha todos os personagens em suas buscas por respostas. Cada capítulo tem um título que, vez ou outra, dá um spoiler do que está por vir. A diagramação é simples, mas bem feita, sem erros aparentes. Esta edição está com maior números de páginas pois possui prólogo e epílogo inéditos. 
A capa é dura, com textura touch, só que eu preferia a capa antiga, com o número 217 e com a palavra Redrum em vermelho. Não que essa esteja feia, não está! Só que a antiga tem mais elementos condizentes com a história.
"Naquele instante, ajoelhado ali, tudo ficou claro para ele. O Overlook não estava apenas influindo sobre Danny. Estava influindo sobre ele também. Não era Danny o elo fraco, era ele. Ele era o vulnerável, aquele que podia ser manobrado."
Do mais, só tenho a indicar! "O Iluminado" é uma história única e completa. Cheia de desafios e com lições valiosíssimas. Venha sentir arrepios e se encantar com personagens reais e cheios de defeitos. Leia e apaixone-se também! 


Avaliação: 



Sobre o autor:



Stephen King era um leitor fanático dos quadrinhos EC's horror comics incluindo Tales from the crypt, que estimulou seu amor pelo terror. Na escola, ele escrevia histórias baseadas nos filmes que assistia e as copiava com a ajuda de seu irmão David. King as vendia aos amigos, mas seus professores desaprovaram e o forçaram a parar.

De 1966 a 1971, Stephen estudou Inglês na Universidade do Maine em Orono, onde ele escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o Maine Campus. Ele conheceu Tabitha Spruce lá e se casaram em 1971. O período que passou no campus influenciou muito em suas histórias, e os trabalhos que ele aceitava para poder pagar pelos seus estudos inspiraram histórias como "The Mangler" e o romance "Roadwork" (como Richard Bachman).