Resenha: O Lago das Sanguessugas - Lemony Snicket

04 outubro 2017

Edição: 1
Editora: Seguinte
ISBN: 9788535901719
Autor: Lemony Snicket - Pseudônimo de Daniel Handler
Serie: Desventuras em Serie – Livro 3
Titulo original:  The Wide Window
Ano: 2016
Páginas: 192
Tradutor: Carlos Sussekind

Sinopse:
"Caro leitor,
Se você ainda não leu nada sobre os órfãos Baudelaire, é preciso que antes mesmo de começar a primeira frase deste livro fique sabendo o seguinte: Violet, Klaus e Sunny são legais e superinteligentes, mas a vida deles, lamento dizer, está repleta de má sorte e infelicidade. Todas as histórias sobre essas três crianças são uma tristeza e uma verdadeira desgraça, e a que você tem nas mãos talvez seja a pior de todas. Se você não tem estômago para engolir uma história que inclui um furacão, uma invenção para sinalizar pedidos de socorro, sanguessugas famintas, caldo frio de pepinos, um horrendo vilão e uma boneca chamada Perfeita Fortuna, é provável que se desespere ao ler este livro. Continuarei a registrar essas histórias trágicas, pois é o que sei fazer. Cabe a você, no entanto, decidir se verdadeiramente será capaz de suportar esta história de horrores.
Respeitosamente,
Lemony Snicket"
Resenha:

Em  “O Lago das Sanguessugas” continua a saga dos desafortunados órfãos Baudelaire. Agora, depois dos trágicos acontecimentos do livro anterior, os três irmãos estão indo morar com outro parente distante, dessa vez, com Tia Josephine, uma senhora extremamente peculiar que tem medo de tudo – quando eu falo tudo, é tudo mesmo, desde telefone à corretores de imóveis- e também tem uma obsessão por gramática. Ou seja, os irmãos passam seus dias comendo sopa fria, pois Tia Josephine tem medo do fogão, e ouvindo os diversos sermões da velhota sobre gramática. Mas, pelo menos, estão a salvo do terrível Conde Olaf, que parece ter perdido o rastro dos órfãos.

Mas então, é anunciado que uma terrível tempestade vai chegar ao Lago Lacrimoso, e tia Josephine, mesmo morrendo de medo, é obrigada a ir ao supermercado comprar mantimentos. E é lá que eles acabam esbarrando em um estranho marinheiro, com tapa olho e perna de pau, que se diz novo na cidade.E assim Capitão Sham e Tia Josephine começam uma “amizade”.
Obviamente o novo disfarce de Conde Olaf não engana Violet, Klaus e Sunny, que tentam a todo custo avisaram a tia de que o Conde Olaf e o Capitão Sham são a mesma pessoa. Mas, como sempre, os adultos não levam a serio os avisos e sobra para os três pequenos protegerem tudo e todos da ganância descontrolada do maquiavélico Conde falido.


“O Lago das Sanguessugas” é o terceiro volume da serie, e também é um dos livros que inspirou a serie de TV, que usou na primeira temporada os 4 primeiros volumes.

Esse é o livros que tem a narrativa mais acelerada, ate então, tudo acontece muito rapidamente, é um evento em cima do outro. O ritmo é frenético, mas a meu ver, o autor trabalhou menos todas as situações, deixando a impressão de que tinha limite de paginas para desenvolver tudo.
Também é perceptível uma mudança na condução da narrativa. Nos livros anteriores o fator fugir do conde Olaf estava ficando um pouco batido. Apesar dos meios, o fins eram sempre iguais: as crianças fugindo desesperadamente do mau caráter do Conde falido e ganancioso. Mas, neste volume, percebe-se que o autor mudou o foco, tudo esta direcionando para o companheirismo dos irmãos e em como eles podem desvendar o mistério que lhes é apresentado. Esse novo elemento foi uma injeção de animo no leitor.

Em geral, “O Lago das Sanguessugas” é o volume da serie com a narrativa mais fraca, apesar do mistério incluído ao longo da trama. No mais, a obra mantem as características clássica da serie, com o humor negro mesclado a ironia e a forma de narrativa peculiar utilizada pelo autor.
Como pode se notar pela resenha, o livro é um obra curta é bem objetiva, com apenas 190 paginas e voltado para o publico infantil.
“Não sei se a moral desta história é: "Os Baudelaire tinham uns aos outros", mas para os três irmãos era quanto bastava.”
Sobre o autor:


Daniel Handler (nascido em 28 de fevereiro de 1970 em São Francisco) é um escritor e cineasta americano. Ele escreveu os romances The Basic Eight e Watch your Mouth. É casado com Lisa Brown, artista gráfica que conheceu na universidade.
Originalmente, Handler utilizava o codinome Lemony Snicket ao invés do seu próprio nome na lista de correio de diversas organizações de extrema direita que ele pesquisava para escrever um de seus livros. Isso se tornou uma espécie de brincadeira entre os seus amigos, que costumavam pedir pizzas sob o nome. Como Lemony Snicket, Handler escreve uma série de livros chamada Desventuras em Série, sendo que Snicket faz parte de história assim como seus irmãos e a mulher que amava.