Resenha: A Misteriosa Lady Rosslyn (Herdeiras da Magia #1) - Jéssica Macedo

13 outubro 2017


Edição: 1
Editora: Amazon
ISBN: B0754KLWL6
Ano: 2017
Páginas: 284

Compre AQUI.

E-book cedido pela autora para resenha
Sinopse: Rosslyn é uma dama forte e decidida. A magia está em seu sangue e deu-lhe uma ligação muito forte com os animais. No século XIV, ela não tem as pretensões das demais jovens de sua idade: ir a bailes, usar vestidos caros ou mesmo conseguir um bom casamento. Única filha de um marquês, prefere viver como uma plebeia com a mãe numa cabana na floresta longe dos holofotes e do luxo da nobreza. O destino está prestes a fazer Hian cruzar seu caminho. Segundo filho do rei de Marshland, sem pretensões ao trono, é um jovem religioso, romântico e que tem o amor de seu povo, bem diferente do irmão mais velho e do pai, mulherengos e arrogantes.
Após um grave acidente o príncipe cuidará de Rosslyn e a jovem misteriosa despertará nele sentimentos que nunca sentiu. Aproximar-se do coração dela não será tão simples quanto das mulheres que se atiram em seus pés, mas a convencerá de que seus sentimentos são verdadeiros.
O mesmo destino que os uniu lhes será cruel. No momento em que Hian pretendia anunciar Rosslyn como sua futura esposa, ele descobrirá que seu pai assumiu um compromisso que ele jamais quis, um noivado com a princesa de outro reino, um casamento com uma mulher mais velha e arrogante, mas que fará dele rei.
O casamento arranjado será apenas um dos muitos obstáculos que o destino reserva para o casal. Uma união que parecerá cada vez mais impossível.

Confesso que fui conquistada pela capa. Assim que vi a capa de A Misteriosa Lady Rosslyn, quis lê-lo. Recebi o e-book da autora para leitura e resenha aqui no blog. Agora, depois de finalizada minha leitura, venho contar para vocês o que achei da obra.

A sinopse é bem explicativa e já diz muito do que vamos encontrar por aqui. Gostei muito do enredo ser medieval, amo castelos e os vestidos da época. A linguagem utilizada pela autora é atual e jovem, por esse motivo não encontramos resistência durante a leitura.
Os personagens são cativantes e bem construídos: Rosslyn é uma bruxa, possui poderes e uma estranha ligação com os animais. Hian é um príncipe. Segundo filho do rei de Marshland, Hian é católico fervoroso e repudia os atos impuros de seu pai e de seu irmão ao se deitar com várias mulheres. Hian é o típico mocinho que quando se apaixona, vira um melado de tão doce que fica. Também vamos conhecer personagens secundários essenciais para trama e vamos nos apegar a eles de uma maneira úncia!
"Se fosse uma jovem comum, Rosslyn estaria desesperada. Não cabia a uma dama dormir no quarto de um homem, a menos que fosse seu marido. Entretanto, uma jovem comum era tudo o que Rosslyn não era. Não vivia na corte como a maioria das jovens em busca de um bom casamento, ou mesmo nos povoados do reino. Morava na floresta, cercada por animais, que viviam com outras regras, julgavam menos, importavam-se mais."
O romance entre eles é um romance meloso, eu sou avessa a esse tipo de romance, ainda mais quando acontece o famoso "amor a primeira vista". Com Rosslyn não foi amor a primeira vista, até porque ela estava desmaiada, mas com Hian foi. Ele cuida dela com carinho até a mesma se recuperar. Depois passa a cortejá-la até que consegue conquistá-la. Mas nem tudo são flores, assim que ambos decidem se casar (já que naquela época era assim), Hian descobre que seu pai o prometeu em casamento para a princesa de outro reino. Hian até tenta se desvencilhar, mas seu pai é sucinto e não deixa Hian fugir do casamento. Assim, Rosslyn e Hian começam a se encontrar escondidos, entregando-se a esse amor proibido.

O começo do livro foi bem tenso pra mim, o que me distraiu do romance foi o mundo bruxo criado pela autora: cada clã é distinguido pela cor dos olhos (Rosslyn tem os olhos dourados). Os poderes também são distintos; a bruxa mais poderosa é Nadine, a rainha do reino de Baskira. Os poderes de Rosslyn encantam e fascinam. Sua personalidade não tem nada de forte como a sinopse diz. Rosslyn é cativante, decidida e corajosa. Mesmo sendo uma lady, ela resolve morar na floresta, em uma pequena cabana com sua mãe humana. Todas as decisões tomada por ela para proteger sua mãe e os animais, são válidas e atenuantes; entretanto, quando se trata de Hian, Ross consegue ser boazinha demais, amorosa demais, bobinha demais.
"Sua mente deixava claro o quanto era preciso se afastar de Hian, mas seu coração queria ir direto para ele."
Por ser um romance hot, vamos encontrar cenas de sexo. Cenas essas que são muito bem descritas e detalhadas. Jéssica sabe prolongar as descrições sem deixá-las enfadonhas. única ressalva de minha parte é o romance meloso mesmo, que, até na hora do sexo, se faz presente.
Do meio do livro pro final, li rapidamente, tamanha era minha curiosidade com o sofrimento dessas almas apaixonadas e, junto com eles, descobrir se a fé pode ser um divisor de águas quando tudo parece desmoronar.

Do mais, só posso indicar para quem gosta do gênero. A narrativa é em terceira pessoa e acompanha, principalmente, os personagens principais, Ross e Hian. A escrita da autora é gostosa mas percebemos que ainda pode amadurecer mais. Infelizmente a revisão chega a ser precária. Odeio quando leio revisando e com esse livro foi assim. Durante toda a minha leitura, em todos os capítulos, encontrei erros de revisão; dos menores (troca de letra) até os maiores (frases incompletas).
"Rosslyn era a noiva que pedia em todos os seus sonhos, todas as suas orações. Deus não podia ser tão maldoso ao ponto de lhe entregar o que sempre quis e depois tirar com tamanha facilidade."

Avaliação: 



Sobre a autora: 




Criativa, falante... Jéssica tem mais livros do que sapatos.
Estudante de cinema na UFMG, espera um dia tornar reais os mundos que cria.
Começou a escrever peças para a escola aos nove anos e desde então não parou mais. Apaixonou-se pelos romances e literatura fantástica por descobrir um mundo repleto de possibilidades. Publicou o primeiro livro aos 14 anos, “Vale das Sombras”, com o pseudônimo de Jéssyca Delacur.