Resenha: A Zona Morta - Stephen King

21 setembro 2017



Edição: 1
Editora: Suma de Letras Brasil
ISBN: 8556510337
Ano: 2017
Páginas: 480


Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse: Depois de quatro anos e meio, John Smith acorda de um coma causado por um acidente de carro. Junto com a consciência, o que John traz do limbo onde esteve são poderes inexplicáveis. O passado, o presente, o futuro – nada está fora de alcance. O resto do mundo parece considerar seus poderes um dom, mas John está cada vez mais convencido de que é uma maldição. Basta um toque, e ele vê mais sobre as pessoas do que jamais desejou. Ele não pediu por isso e, no entanto, não pode se livrar das visões. Então o que fazer quando, ao apertar a mão de um político em início de carreira, John prevê o que parece ser o fim do mundo?


Em Zona Morta vamos conhecer John Smith, um homem aparentemente comum. Um professor que está muito feliz com seu novo relacionamento. No entanto, John sofre um acidente e acaba em coma por quase cinco anos. Ao acordar, John vê sua vida completamente mudada e claro, a si mesmo.

John tem uma parte do cérebro, que batizou de Zona Morta, que não reconhece determinados objetos. Isso se deu ao fato de o mesmo ter sofrido um acidente quando ainda era criança, o que desencadeou esse dom, mas com menos intensidade. Se fosse só isso, ok, mas não é - depois do coma, ele passa a ter visões ao tocar as pessoas, detectando desde sentimentos até acontecimentos passados ou futuros.
"Mas essa teoria supõe que as pessoas com tendência a se recuperar de um longo estado de coma já sofreram algum tipo de lesão cerebral no passado... É como se o cérebro delas tivesse feito alguma adaptação como resultado do primeiro dano, uma adaptação que lhe permitiria sobreviver a um segundo."
A princípio, John não sabe o que fazer. Todos lhe dizem que seu dom é maravilhoso e, apesar dos pesares, John começa ajudar a quem precisa. Se torna uma pessoa pública, muitos vão atrás de seu "Dom" para explorá-lo ao máximo. Cansado dessa vida, John se esconde na casa de um aluno que tem dificuldade em aprender, ajudando com aulas particulares.
Mas nem tudo são flores neh? Na formatura de seu aluno, John prevê um acidente, mas nem todos os convidados acreditam e várias pessoas morrem.
Em outro momento, ao apertar a mão de um político, John tem a visão mais catastrófica que poderia ter. Uma série de acontecimentos sinistros que ocorrerá caso o mesmo seja eleito. E essas consequências envolvem mundo inteiro. Se esse homem for eleito ele levará o mundo a vivenciar uma guerra nuclear devastadora. Quem mais poderia impedir os acontecimentos que estão por vir além de John? Ignorar suas visões não é uma opção já que as mesmas se mostraram sempre certeiras.
Como John vai reagir e enfrentar o que está por vir? Bem, vocês terão que ler para saber!
Narrado em terceira pessoa, Zona Morta cria uma trama familiar em volta do personagem principal, John Smith. Vamos conhecê-lo a fundo, tornando-nos parte de sua história. O enredo não trás o terror arreganhado que estamos acostumados nos livros do autor, mas um suspense sobrenatural regado a muito drama. 
Todo o enredo foi criado para surpreender o leitor. Com sua escrita calma e detalhista, nós não imaginamos o que está por vir até acontecer. King abusa de sua escrita marcante para nos prover um contexto rico e coerente.
"(...) é melhor que certas coisas não sejam vistas e é melhor que outras não sejam encontradas."
Zona Morta teve sua primeira publicação em 1979 e, mesmo com todos esses anos nas costas, a história não deixa de ser satisfatória. King coloca elementos que fazem com que o leitor analise a própria sociedade e os governos atuais.
A nova edição publicada pela Suma de Letras está linda; possui boa diagramação e a capa condiz com o enredo apresentado. 
Do mais, só posso indicar e torcer para vocês gostarem tanto quanto eu gostei. É um livro extenso, a paciência é primordial para que o leitor desfrute das partes mais lentas que acompanham o enredo. Mesmo assim, vale a pena cada página lida. King é maravilhoso e suas histórias, incríveis!


Avaliação: 



Sobre o autor: 



Stephen King era um leitor fanático dos quadrinhos EC's horror comics incluindo Tales from the crypt, que estimulou seu amor pelo terror. Na escola, ele escrevia histórias baseadas nos filmes que assistia e as copiava com a ajuda de seu irmão David. King as vendia aos amigos, mas seus professores desaprovaram e o forçaram a parar.

De 1966 a 1971, Stephen estudou Inglês na Universidade do Maine em Orono, onde ele escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o Maine Campus. Ele conheceu Tabitha Spruce lá e se casaram em 1971. O período que passou no campus influenciou muito em suas histórias, e os trabalhos que ele aceitava para poder pagar pelos seus estudos inspiraram histórias como "The Mangler" e o romance "Roadwork" (como Richard Bachman).