Resenha: Outlander : A Libélula no Âmbar - Diana Gabaldon

08 julho 2017

Edição: 1
Editora: Saída de Emergência Brasil
ISBN: 9788567296272
Autor: Diana Gabaldon
Serie: Outlander – Livro 2
Titulo original: Dragonfly in Amber
Ano: 2014
Páginas: 944
Tradutor: Geni Hirata

Sinopse:
Claire Randall guardou um segredo por vinte anos. Ao voltar para as majestosas Terras Altas da Escócia, envoltas em brumas e mistério, está disposta a revelar à sua filha Brianna a surpreendente história do seu nascimento. É chegada a hora de contar a verdade sobre um antigo círculo de pedras, sobre um amor que transcende as fronteiras do tempo... E sobre o guerreiro escocês que a levou da segurança do século XX para os perigos do século XVIII.
O legado de sangue e desejo que envolve Brianna finalmente vem à tona quando Claire relembra a sua jornada em uma corte parisiense cheia de intrigas e conflitos, correndo contra o tempo para evitar o destino trágico da revolta dos escoceses. Com tudo o que conhece sobre o futuro, será que ela conseguirá salvar a vida de James Fraser e da criança que carrega no ventre?

"A Libélula no Âmbar" é o segundo volume da serie "Outlander", precedido por "A Viajante do Tempo". Para ler a resenha do livro anterior, é só clicar na título.


Resenha:
“Eu não me importava de morrer... não com ele. Mas ter que continuar vivendo, sem ele... ele tinha razão, eu fiquei com a pior parte do trato. Mas eu o cumpri, porque o amava.E sobrevivemos, você e eu, porque ele a amava.”
Como eu sempre falo para vocês, eu prefiro resenhar os livros que não gostei tanto, do que os meus favoritos. É complicado falar de um livro que você amou do inicio ao fim, por todas as suas quase 1000 paginas. Foi assim com “A Libélula no Âmbar”, o segundo volume da serie “Outlander”, que se tornou mais um dos meus livros favoritos. Um leitura que eu procrastinei por quase 3 anos.

Ao iniciar a leitura de “A Libélula no Âmbar” ficamos um tanto quanto perdidos, pois a trama não se inicia exatamente de onde paramos, ou alguns anos a frente. Na verdade, a historia se inicia 200 anos no futuro.

Ao final do livro anterior, vemos que Jamie e Claire estão partindo para a França para tentar impedir que a revolução Jacobita aconteça. Mas, desde a primeira pagina deste volume percebemos que algo deu errado nos planos deles de evitar a revolução e que Claire precisou retornar ao futuro e está a vinte anos longe de seu amado Jamie.
Nesses vinte anos de voltar a sua antiga vida, muitas coisas aconteceram com Claire. Frank Randall, seu primeiro marido, veio a falecer. Ela se formou em medicina. E também se tornou mãe.
Brianna foi criada por Frank, mas é filha legitima de Jamie. Quando Claire retornou do passado, ela não voltou sozinha, trouxe consigo um pedacinho de Jamie em seu ventre.

Dadas as circunstancias e o andar na guerra travada nas terras altas durante a revolução Jacobita, Claire sabe que Jamie morreu em Colluden, junto com seus homens, tentando defender um causa que desde o inicio ela soube que estava fadada ao fracasso.
Nesses vinte anos sem seu amado, a única coisa que manteve Claire determinada foi ver em Brianna todos os traços de Jamie. Mas ela prometeu a Frank que não contaria a menina a verdade sobre a sua paternidade enquanto ele fosse vivo.
Mas Frank se foi, e agora Claire e Brianna estão novamente nas Terras Altas. De volta ao passado e a verdadeira origem de Brianna.
Claire está determinada a revelar tudo para a filha, mesmo que ela não acredite, mesmo que até mesmo para ela, tudo pareça irreal.
Mas para contar para a filha, primeiro ela precisar ter certeza do que realmente aconteceu a todos aqueles homens de Lallybrock que ela tentou salvar. Será que valeu de alguma coisa toda a luta e o esforço? Mesmo que não tenha conseguido salvar a vida de Jamie, será que alguém foi beneficiado com o seu conhecimento do futuro?
Ela precisa ter estas respostas antes de contar tudo para a filha. Para isso ela vai contar com a ajuda de Roger, o filho adotivo do reverendo, que quando Claire visitou a Escócia pela primeira vez, era apenas um menino, mas que agora é formado em historia e especializado na revolução Jacobita. Mas, para surpresa de Claire, Roger começa a revelar detalhes do desfecho do levante, e algumas coisas das quais ela tinha certeza, talvez não tem acontecido exatamente como ela passou vinte anos acreditando.
“- Sangue do meu sangue – murmurou ele – e ossos dos meus ossos.Você me carrega dentro de você, Claire, e não pode me abandonar, não importa o que aconteça. Você é minha, para sempre, quer queira ou não, quer me ame ou não. Minha, e eu não a deixarei partir.”
Nunca na minha vida eu senti tanta dificuldade em estruturar uma resenha. Não somente por meus sentimentos a flor da pele, mas também por se tratar de um livro que não segue uma ordem cronológica linear.
Como eu falei, ao iniciar a leitura parece que estamos começando a ler outro livro, algum volume mais adiantado da serie. Esse inicio com Claire narrando os fatos do futuro em primeira pessoa, nos deixa agoniados, pois ninguém sabe o que realmente aconteceu no passado, com Jamie e o restante do pessoal que protagonizou o livro anterior, só sabemos que de algum modo as coisas saíram do controle e que Claire e Jamie não conseguiram mudar o futuro como pretendiam e que ela acabou retornando pelas pedras, grávida, diretamente para os braços de Frank Randall. Somente alguns capítulos após é que voltamos para as Terras Altas do passado, quando Claire começa a finalmente revelar para Brianna a sua origem e como o seu verdadeiro pai viveu e morreu. A narrativa do livro é feita de um modo a parecer que é as lembranças de Claire.

Diana Gabaldon é uma mestre na escrita, com toda a certeza. Ela consegue te prender por quase mil paginas. Essa alternância entre presente e passado foi algo completamente inusitado, e também uma forma genial de manter a curiosidade do leitor aguçada. A escrita da autora é leve e simples, mesmo se tratando de uma trama ambientada em um outro século. Também temos um aula de historia, com descrições e ambientações ricas em detalhes. A trama esta repleta de referencias históricas, com detalhes políticos reais da época, mesclados com a ficção, tudo em perfeita sincronia.
 Sem contar, é claro, que é uma trama com personagens fortíssimos. Claire e Jamie, como já ficou claro no primeiro volume, são personagens impares. Claire continua a ser aquela mulher forte e guerreira, determinada a fazer tudo que estiver ao seu alcance para salvar quem ama. Já Jamie, passou por um grande amadurecimento. No primeiro volume ele ainda tem alguns traços de menino, uma leveza juvenil. Mas, ao iniciarmos este volume, percebesse que ele passou por esse amadurecimento. A bagagem emocional de Jamie está maior, depois do desfecho de “A Viajante do Tempo”. Mas, ao mesmo tempo em que se percebe essas nuances na personalidade de ambos, também notamos que, como um casal, eles estão mais fortes do que nunca.
 Em suma, autora criou personalidades únicas para eles, que se mentem intacta ao longo de uma trama muito bem trabalhada. E alem dos personagens secundários do livro passado, em “A Libélula no Âmbar” vamos conhecer diversos outros, que contribuem ativamente para o desenvolvimento da historia.

Sem sombra de duvidas, Outlander é uma serie arrebatadora. Essa mescla de presente e passado com fatos reais e ficcionais é digna de reverencia. Eu não consigo pensar em nada que tenha me desagradado. Até mesmo durante as descrições das estrategias de batalha eu me vi vidrada, ávida para saber mais sobre o desenrolar da trama. Eu nunca imaginei ler quase 1000 paginas em uma semana. Assim que abri o livro me vi envolvida na leitura de uma forma que eu não consegui largar de forma alguma. Apesar de ser um volume grosso e pesado, eu o arrastei para todos os lados durante essa semana inteira.

Já o final, foi extremamente arrebatador. Fez-me desejar já ter o próximo volume em mãos para poder devora-lo em sequencia. Ao finalizar a leitura me vi com aquele sentimento ambíguo, de felicidade e tristeza. Ao mesmo tempo em que o leitor anseia por um final feliz, os fatos mostram que ainda tem muito que desenrolar para esse momento chegar, se é que um dia ele realmente vai acontecer.

Enfim...eu sorri, gargalhei, chorei de soluçar, me apaixonei, sofri e fiquei com o coração apertado. Compartilhei todos esses sentimentos com Jamie e Claire, e ainda quero muito mais.

Sobre a edição física eu também só tenho elogios. As capas dessa serie são maravilhosas, possui um efeito brilhante nas letras que dá um charme aparte. A diagramação é simples,  mas alem das divisões de capítulos, o livro também é dividido em sessões, que marcam a passagem de tempo. A revisão também esta impecável, sem erros aparente. As paginas são amareladas, apesar de um pouco final, e com uma fonte agradável para leitura.
" - Eu a encontrarei - murmurou ele em meu ouvido. - Eu prometo. Ainda que tenha que suportar duzentos anos de purgatório, duzentos anos sem você, esse será meu castigo, que eu mereci pelos meus crimes. Porque eu menti, matei e roubei; traí e quebrei a confiança. Mas há uma única coisa que deverá pesar a meu favor. Quando eu ficar diante de Deus, eu terei uma única coisa a dizer para contrabalançar o resto. Sua voz diminuiu, até quase se transformar num sussurro, e seus braços apertaram-me com mais força. - Meu Deus, o Senhor me deu uma mulher especial e, Deus!, eu a amei demais."
Sobre o autor:


Escri­tora ame­ri­cana de ascendência mexicano-​americana e inglesa. Gabal­don é autora da famosa série Outlan­der. Os seus livros são difí­ceis de cata­lo­gar den­tro de um gênero espe­cí­fico, pois con­têm ele­men­tos de fic­ção român­tica, fic­ção his­tó­rica e fic­ção cien­tí­fica (sob a forma de via­gens no tempo). Os seus livros já foram publi­ca­dos em 23 paí­ses e tra­du­zi­dos para 19 lín­guas.