Resenha: Ligeiramente Maliciosos - Mary Balogh

19 julho 2016

Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580413939
Autor: Mary Balogh
Serie: Os Bedwyns – livro 2
Titulo original: Slightly Wicked
Ano: 2015
Páginas: 288
Tradutor: Ana Rodrigues
Adicione ao "Skoob"

Sinopse:
Após sofrer um acidente com a diligência em que viajava, Judith Law fica presa à beira da estrada no que parece ser o pior dia de sua vida. No entanto, sua sorte muda quando é resgatada por Ralf Bedard, um atraente cavaleiro de sorriso zombeteiro que se prontifica a levá-la até a estalagem mais próxima.
Filha de um rigoroso pastor, Judith vê no convite do Sr. Bedard a chance de experimentar uma aventura e se apresenta como Claire Campbell, uma atriz independente e confiante, a caminho de York para interpretar um novo papel. A atração entre o casal é instantânea e, num jogo de sedução e mentiras, a jovem dama se entrega a uma tórrida e inesquecível noite de amor.
Judith só não desconfia de que não é a única a usar uma identidade falsa. Ralf Bedard é ninguém menos do que lorde Rannulf Bedwyn, irmão do duque de Bewcastle, que partia para Grandmaison Park a fim de cortejar sua futura noiva: a Srta. Julianne Effingham, prima de Judith.
Quando os dois se reencontram e as máscaras caem, eles precisam tomar uma decisão: seguir com seus papéis de acordo com o que todos consideram socialmente aceitável ou se entregar a uma paixão avassaladora?
Neste segundo livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos conquista com mais um capítulo dessa família que, em meio ao deslumbramento da alta sociedade, busca sempre o amor verdadeiro.


"Ligeiramente Maliciosos" é o segundo livro da serie Os Bedwyns, precedido por "Ligeiramente Casados". Para conferir a resenha do livro anterior, é só clicar no titulo.


Resenha:
“No inicio era apenas uma aventura inocente, mas se tornou uma paixão avassaladora.”
Em Ligeiramente Maliciosos vamos conhecer mais um dos irmãos Bedwyns. Rannulf é o terceiro mais velho da família, atras de Wulfric e de Aidan, que foi o protagonista de Ligeiramente Casados.
Ralf é um homem simples, apesar de sua condição, e também aprecia muito a sua liberdade, nem passando por sua cabeça a ideia de casamento e filhos. Mas sua avó materna, tem outros planos para ele.
Quando recebe uma carta de sua avó dizendo que achou a noiva perfeita para ele, Rannulf parte rumo a casa dela para dissuadi-la da ideia. Ele tem um amor imenso pela avó, que fez dele seu herdeiro, já que não possui mais filhos. Mas só a ideia de casar o desagrada.
E é no caminho que ele encontra um acidente, uma diligencia tombada por conta da lama e da chuva e é ali que conhece Claire Campbell, uma ruiva voluptuosa que teve sua viajem interrompida pelo acidente.
Rannulf, é claro, se propõe a buscar ajuda na estalagem mais próxima e se oferece para levar em sua garupa uma das mulheres. Claire é a escolhida por ele, e durante o trajeto descobre que ela é uma atriz que esta rumo a Londres. Ralf se sente atraído pela sensual mulher logo de cara, e Claire não parece inclinada a desencorajar o seu avanço.

Mas, Claire Campbell não existe, ela não passa de uma farsa de Judith Law, que é apenas a filha do meio de um pároco. Ela não estava na diligencia rumo a Londres, e sim rumo a casa da tia, uma mulher rica e que se propôs a acolher Judith como uma criada em troca de casa e comida, já que o irmão da garota, Brandwell Law, um viciado em jogo e aposta, acabou com todo o dinheiro da família, não sobrando nem mesmo para as necessidades básicas, que dirá para  um dote para as irmãs.

Ou seja, Judith é uma mulher sem perspectiva nenhuma de felicidade e nem de casamento, ela foi separada da família, vai ser tornar uma criada e não tem nenhum tostão no bolso. Por isso, quando ela vê que Rannulf Bedwyn, que se apresenta para ela como Ralf Bedard, demonstra interesse , ela resolve aproveitar a oportunidade para viver uma aventura, uma ultima aventura, aquela que invocará a lembrança nos momentos difícil que estão por vir. E assim,  Judith se permite uma noite tórrida de amor com o desconhecido, fugindo no dia seguinte antes do sol nascer.

Mas o que Judith não esperava era que seu caminho voltasse a se cruzar com o da Ralf Bedard, e muito menos descobrir de que ele é na verdade Rannulf Bedwyn, o irmão de um duque  e membro da aristocracia e também o pretendente de sua prima.
“Era para ela ter interrompido aquele ato assim que ele entrara no quarto, mas agora não importava mais. O bom senso, o decoro e a moralidade lhe mostrariam toda a extensão de seu erro à luz do novo dia. Aquela era a noite que daria calor e significado ao restante da sua vida. Judith tinha certeza disso. Seria uma mulher perdida… mas quem saberia? E quem se importaria?”
Lembra que eu sempre falo que amo romance de época pelo fato de que sempre a trama é inusitada, mas com um final previsível? Pois é, mas não quando se trata de Mary Balogh. Serio, as tramas das autora são totalmente as avessas, eles começam pelo casamento, sexo, noivado e afins, e depois vê no que vai dar. Em Ligeiramente Casados Eve e Aidan se casam logo nas primeiras paginas, e é após isso que a trama se desenvolve e cria forma. Em Ligeiramente Maliciosos Judith e Ralf já transam logo de cara. Conseguem entender o meu ponto? O final esperado no romance de época é o estopim para as tramas de Mary Balogh, o que é incrível, deixo claro, apesar da discrepância em relação a época em que a trama se passa.

Judith faz o tipo de mocinha sofrida, ela passou a vida na sombra das irmãs e do irmão, acreditando ser feia por ser ruiva e não ser magra. Quando foi preciso enviar um deles para viver com a tia, Judith logo se ofereceu, afinal ela não era nem a mais velha ou a mais nova dos irmãos, e muito menos o homem, o herdeiro. Essa, entre outras atitudes da família foram um golpe e tanto na autoconfiança da garota, que agora também tem a tia, que alarga suas roupas para que não Judith não chame mais atenção do que a prima. Mas ao mesmo tempo ela é uma pessoa orgulhosa e dona de seu nariz, que não se deixa subjugar com facilidade.

Já Rannulf, ele não é o príncipe no cavalo branco, muito menos o herói de armadura dourada, e nem faz questão disso. Ele é um homem que foge de compromisso e corre atras do prazeres da vida e das mulheres que lhe agradam. Mas também é extremamente honrado e um cavalheiro. Então, quando ele descobre a real identidade de Judith, acontece um conflito interno para Ralf, já que pela sociedade, ele deveria casar-se com ela.
"O senhor está se vendo forçado a fazer isso. Não me casarei porque a honra o obriga a me favorecer essa união tão inadequada e imprudente. Não se sentiria honrado se eu me casasse com o senhor, se sentiria um mártir"
Enfim,  são dois personagens impares, donos de personalidades fortes e vontades de ferro e vai existir essa queda de braço entre eles.
Ligeiramente Maliciosos foi, sem duvida, uma leitura muito melhor do que Ligeiramente Casados, os personagens são extremamente cativantes e bem construídos, e também mais leves, sem a bagagem emocional do livro anterior.
O livro é narrado em terceira pessoa, possibilitando ao leitor conhecer  a fundo ambos os protagonistas e também alguns personagens secundários. A autora possui uma escrita simples, fácil e bastante fluida.

Sobre o autor:

Mary Balogh nasceu e foi criada no País de Gales. Ainda jovem, se mudou para o Canadá, onde planejava passar dois anos trabalhando como professora. Porém ela se apaixonou, casou e criou raízes definitivas do outro lado do Atlântico.
Sempre sonhou ser escritora e tinha certeza de que, no dia em que escrevesse um livro, ele seria ambientado na Inglaterra do Período da Regência. Quando sua filha mais nova tinha 6 anos, Mary finalmente encontrou tempo para se dedicar ao antigo sonho. Depois de três meses escrevendo na mesa da cozinha, a primeira versão de sua obra de estreia estava pronta. Publicada em 1985, deu a Mary o prêmio da Romantic Times de autora revelação na categoria Período da Regência. Em 1988, depois de vinte anos de magistério, ela passou a se dedicar apenas aos livros.
Hoje Mary Balogh é presença constante na lista de mais vendidos do The New York Times e vencedora de diversos prêmios literários.