Resenha: Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar - Sarah MacLean

25 maio 2016

Edição: 1
Editora: Arqueiro
Autor: Sarah MacLean
Serie: Os Números do Amor - Livro 1
Titulo Original: Nine Rules to break When Romancing a Rake
ISBN: 9788580415049
Ano: 2016
Páginas: 384
Tradutor: Fabiana Colasanti

Sinopse:
A sonhadora Calpúrnia Hartwell sempre fez tudo exatamente como se espera de uma dama. Ainda assim, dez anos depois de ser apresentada à sociedade, ela continua solteira e assistindo sentada enquanto as jovens se divertem nos bailes. Callie trocaria qualquer coisa por uma vida de prazeres.
E por que não se arriscar se, aos 28 anos, ela já passou da idade de procurar o príncipe encantado, nunca foi uma beldade e sua reputação já não lhe fará a menor diferença? Sem nada a perder, a moça resolve listar as nove regras sociais que mais deseja quebrar, como beijar alguém apaixonadamente, fumar charuto, beber uísque, jogar em um clube para
cavalheiros e dançar todas as músicas de um baile. E depois começa a quebrá-las de fato.
Mas desafiar as convenções pode ser muito mais interessante em boa companhia, principalmente se for uma que saiba tudo sobre quebrar regras. E quem melhor que Gabriel St. John, o marquês de Ralston, para acompanhá-la? Afinal, além de charmoso e devastadoramente lindo, ele é um dos mais notórios libertinos de Londres.
Contudo, passar tanto tempo na companhia dele pode ser perigoso. Há anos Callie sonha com Gabriel e, se não tiver cuidado, pode acabar quebrando a regra mais importante de todas – a que diz que aqueles que buscam o prazer não devem se apaixonar perdidamente.
Resenha:
“O amor não é unilateral e egoísta. É pleno e generoso, e modifica a vida da melhor maneira possível. O amor não destrói, Gabriel. Ele cria.”
Pois então, cá estou eu, novamente as voltas com romance de época. Eita estilo que não me larga, ou eu não largo dele, o que é mais provavel!! Hahaha
E como vocês bem sabem, eu sempre enrolo pra fazer as resenhas dos livros que eu gosto, pois é bem mais fácil citar os pontos negativos do que os positivos. Eu sempre me sinto meio ridícula por aqui tendo surtos de fangirl com os livros que amo. Ah , e como e amei este, foi amor a primeira linha. Sem sombra de duvidas o melhor romance de época do ano, talvez de todos que eu já tenha lido, e que não são poucos.

Calpúrnia Hartwell já passou por diversas temporadas em Londres, todos elas um fracasso completo. Nenhum homem respeitavel se interessou por ela, apesar de ser a filha mais velha de uma família importantíssima e dona de um dote considerável. Atualmente, com 28 anos de idade, ela já faz parte do grupo de solteironas e já se acostumou a isso, afinal é melhor ficar sentada com companhia, do que vagar  de forma humilhante ao redor dos salões de baile esperando que alguém a tire para dançar, algo que nunca acontece.
Agora Callie esta presenciando o sucesso da irmã, que logo na primeira temporada acaba de ficar noiva de um nobre, ressaltando novamente a incapacidade de Callie em formar uma família.

Callie tem alguma poucas certezas na vida. A primeira é de que não se encaixa nos padrões estipulados para as mulheres daquela época. Ela é gordinha, com quadris e busto avantajado e se destaca em meio as mulheres esbeltas e graciosas nos salões de festa. A segunda é de que não vai se casar. Afinal, com 28 anos e com sua aparência, as chances são praticamente nulas. E a terceira, é que apesar de tudo isso, sua reputação é impecável.  E é ao perceber isso que ela decide que de nada vale uma reputação e bons modos se não está feliz. Por isso, cansada de seguir regras e ordens, ela cria uma lista de  nove coisas que deseja fazer, coisas destinadas a homens, que tem liberdade de ir e vir quando der vontade.
"Não, ela não era Calpúrnia, imperatriz de Roma. Era a mesma Callie sem graça que sempre fora. E que sempre seria."
A lista de Callie consiste em coisas simples, como fumar um charuto e beber Whisky, mas também  inclui esgrimir e jogar . E também beijar alguém, de forma apaixonada, de preferencia.
  Apesar da determinação, falta recursos para ela cumprir todos os itens, e quem seria a melhor pessoa para ajuda-la se não Gabriel St. John, o Marques de Ralston, o maior libertino que Londres já viu e também o amor platônico de Callie desde que tinha 18 anos.

 Gabriel também não está passando por seus melhores dias, afinal, uma irmã que ele não sabia que tinha acaba de bater em sua porta. A menina, fruto de outro relacionamento de sua mãe, que por sinal, abandonou o marido e fugiu para outro pais, chegou de surpresa com a noticia de que a mãe deles havia morrido. O Marques de Ralston pode ser um libertino convicto, mas seu senso de família é grande e ele acaba acolhendo a menina. Mas, ela precisa ser apresentada a sociedade, e o fato de ser filha bastarda de uma marquesa desvirtuada não facilita em nada para a garota, que precisa de alguém de boa reputação para ser sua madrinha em seu debut.
Para sorte de ambos, Gabriel é o que Callie precisa e Callie é o que Gabriel precisa. Talvez eles façam um acordo de cavalheiros em beneficio de ambos. Mas, isso não inclui romance? Ou inclui?
1. Beijar alguém... apaixonadamente
2. Fumar charuto e beber uísque
3. Montar com as pernas abertas
4. Esgrimir
5. Assistir a um duelo
6. Disparar uma pistola
7. Jogar ( em um clube de cavalheiros)
8. Dançar todas as danças de um baile
9. Ser considerada linda. Pelo menos uma vez.
Gente, serio, eu nem sei como descrever este livro. Sexy e envolvente? Hilario e apaixonante? Serio, não sei mesmo!! Estou com um grave problema, é amor demais para ser colocado em palavras, Sarah MacLean se tornou a minha nova diva literário, sem sombra de duvidas. A autora conseguiu me fazer ler um livro de quase 400 paginas em menos de 2 dias. A escrita é leve, engraçada e super bem estruturada, sem contar é claro, que os personagens são bem construídos e donos de personalidades marcantes.

Calpúrnia Hartwell é a melhor protagonista já criada, fim. Ela trás a tona, apesar de a trama se passar em outro século, um assunto bastante comentado nos dias atuais, a gordofobia. Callie é gorda, e este não é o “padrão” aceito pela sociedade da época (ou em qualquer outra época, pois parece que temos esse preconceito atualmente. É um circulo doentio). E quando a irmã (magra) é pedida em casamento, os familiares se voltam para Callie, destacando o que falta pra ela, ou seja , um marido. Chegam a sugerir regimes e ao cumulo de chama-la de porca gorda. Mas agora ela esta em um ponto da vida onde isso já não importa mais. Ela passou muito tempo se preocupando com o que os outros iriam achar e acabou deixando de viver, e quando se da conta disso, resolve aproveitar a vida da melhor forma possível, nem que isso vá contra ao que a sociedade espera dela.
Ela também é uma pessoa que luta por igualdade de gênero, que acredita que homens e mulheres podem e devem ter os mesmo direitos.

Já o Gabriel, ele é o clássico mocinho de romance de época, o libertino convicto, dono de uma beleza notável, de um título e uma fortuna mais notáveis ainda. Ele é exatamente o tipo que faz as leitoras suspirarem e desejarem que saia das paginas direto para os seus braços, não pelo fato de ser perfeito, mas por ser perfeitamente imperfeito e real.
 Sem contar, é claro, que ambos os personagens tem uma bagagem emocional bastante grande, ela por ser uma excluída e ele por esconde atrás da mascara de libertino a dor e o trauma que o abandono da mãe e a morte do pai causaram. E assim, ambos tornam essa trama perfeita.

A autora também criou uma gama de personagens secundários que influenciam e acrescentam na trama, afinal, "Os numero do Amor" é uma trilogia que vai acompanhar os irmãos St.John.

"Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar" é narrado em terceira pessoa,  permitindo ao leitor uma visão detalhada de ambos os protagonistas e também de alguns secundários, que provavelmente vão  ser parte ativa dos próximos volumes.

O trabalho da editora Arqueiro também está muito bom, uma capa muito bonita, uma diagramação simples, mas de bom gosto, folhas amareladas e uma fonte bastante agradável para leitura.A única coisa que me incomodou foi a revisão, o livro está cheio de erros de revisão, que em alguns momentos dificultam a compreensão da frase. Fora isso, é um dos melhores livros do gênero, com certeza.
“Beijos não devem deixá-la satisfeita. Eles devem deixá-la querendo mais.”
Sobre o autor:

Sarah MacLean passou grande parte de sua infância entre os livros da biblioteca de sua cidade, onde desenvolveu a paixão por história e um compromisso para com o gênero romance.
O seu amor por todos os fatos históricos a ajudaram na sua formação em História e Antropologia Cultural no Smith College, e Educação na Universidade de Harvard, antes de se mudar para Nova Iorque, onde finalmente escreveu o seu primeiro livro. Desde então, os romances de MacLean tem sido best-sellers no The New York Times e USA Today, traduzidos em mais de uma dúzia de idiomas, e indicados para vários prêmios.
MacLean estourou com o livro Nine Rules To Break When Romancing A Rake, seu primeiro best-seller aclamado pela crítica, e sua primeira série de três livros. No início de 2012, lançou sua nova série pré-vitoriana, Rules of Scoundrels, com o livro A Rogue by Any Other Name, que recebeu em 2013 o Prêmio RITA (Romance Writers of America). O terceiro livro da série, No Good Duke Goes Unpunished, ganhou o RITA Award em 2014.
Quando não está escrevendo um romance, Sarah viaja pelo país para discutir sua posição nos estudos culturais e do gênero. A autora é colunista no jornal americano The Washington Post, e suas colunas têm aparecido no The New York Times, Book Reviews e Parents Magazine. Ela também é defensora das questões relativas à educação e alfabetização. Sarah vive em Nova Iorque com o marido, a filha, o cachorro e uma coleção gigantesca de romances.