Resenha: A Probabilidade Estatística do Amor a Primeira Vista - Jennifer E. Smith

24 janeiro 2015

Desafio Literário: I Dare You - Janeiro: Férias


Edição: 1
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501095442
Ano: 2013
Páginas: 224
Tradutor: Camila Mello
Adicione no "Orelha de Livro"

Compre AQUI - R$ 13,11
Sinopse: Com uma certa atmosfera de Um dia, mas voltado para o público jovem adulto, A probabilidade estatística do amor à primeira vista é uma história romântica, capaz de conquistar fãs de todas as idades. Quem imaginaria que quatro minutos poderiam mudar a vida de alguém? Mas é exatamente o que acontece com Hadley. Presa no aeroporto em Nova York, esperando outro voo depois de perder o seu, ela conhece Oliver. Um britânico fofo, que se senta a seu lado na viagem para Londres. Enquanto conversam sobre tudo, eles provam que o tempo é, sim, muito, muito relativo. Passada em apenas 24 horas, a história de Oliver e Hadley mostra que o amor, diferentemente das bagagens, jamais se extravia.

Resenha:
"Apesar de tudo - do voo lotado, do assento desconfortável e dos cheiros que estão tomando o ambiante - , ela não se sente pronta para sair do avião, onde foi tão fácil se perder nas conversas e esquecer de tudo que deixou e o que estava por vir."
Quando peguei este livro para ler, pensei que o tema seria outro, mas mesmo assim, foi uma boa leitura. A Probabilidade Estatística do Amor a Primeira Vista, é um livro pequeno comparado ao título, mas gostoso de ler e cheio de sentimentos.


Hadley está atrasada... por quatro minutos, perdeu o voo que a levaria para a Inglaterra, para o casamento de seu pai. Hadley não queria ir, mas sua mãe insistiu e ela sabe que não poderá fugir dele para sempre. Isso mesmo, fugir! Hadley odeia o fato de seu pai ter se mudado e de estar prestes a se casar, apesar de ter 17 anos, ela ainda se sente aquela garotinha que necessita da família unida para ser feliz.
Durante a espera para o próximo voo, ela conhece Oliver, um inglês fofo e muito engraçado. Juntos eles passam as próximas horas aguardando o voo e depois, as próximas horas durante o voo.
"Oliver é como uma música que ela não consegue esquecer. Por mais que tente, a melodia do encontro entre os dois fica tocando na cabeça repetidamente, cada vez mais agradável, como uma canção de ninar, como um hino; não tem como ficar cansada daquilo."
Confesso que o livro é me fez sentir sono no começo, a coisa começa a ficar boa mesmo, da página 100 em diante. Hadley reclama de tudo, é chata e parece mais uma menina de 8 anos do que uma garota com 17. Ao contrário de Oliver que tenta todo o tempo fazê-la esquecer de sua claustrofobia e dos momentos de tédio que certamente enfrentará no casamento do pai. Oliver é simpático, criativo e carinhoso. Mas fala pouco de si, quer mesmo conhecer Hadley, saber tudo o que puder sobre ela.


A narrativa é em terceira pessoa, pelo ponto de vista de Hadley. Mescla o passado e presente da protagonista, nos contando o porque de toda a sua raiva por seu pai e como vem aguentando a separação deles. O mais legal no livro, é a ideia que a autora passa de que um pequeno atraso pode mudar sua vida, colocar pessoas tão diferentes próximas e fazerem eles encontrarem algo de comum entre si!
"Mas Hadly compreendia. Não era para ler tudo. Leria no futuro, mas naquele momento o importante era o gesto. Estava dando para a filha a coisa mais importante que podia dar, a única que conhecia. Era um professor, um amante das histórias, e estava construindo uma biblioteca para a filha, da mesma forma que outros pais construíam casas."
A capa define bem o enredo do livro, a diagramação é simples. Os capítulos são separados por números, e como  história é contada em apenas 24 horas, também possui a hora na Costa Leste (Estados Unidos) e a hora de Greenwich (Inglaterra). Não vou dizer que o livro é ruim, porque não é, é uma história fofa e um pouco engraçada, as melhores frases são ditas entre Oliver e Hadley. Um romance gostoso, apesar de todas as reclamações da protagonista. Consigo entender a dor de Hadley, mas acho que ela deveria ser um pouco mais adulta ao enfrentar esse problema. O final é muito bom e deixa com aquele gostinho de quero mais sabe? Então, pra quem ainda não leu, aproveite as férias e leia!
"- As pessoas que se encontram em aeroportos têm 72 por cento de chance de se apaixonarem que as pessoas que se encontram em outros lugares." - Oliver


Avaliação:


Sobre a autora:


Jennifer E. Smith é autora dos livros A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista, The Storm Makers, You Are Here, The Comeback Season, This is What Happy Looks Like e seu mais recente sucesso, The Geography of You and Me. Ela completou seu mestrado em Escrita Criativa pela University of St. Andrews na Escócia e atualmente trabalha como editora na cidade de Nova York. Seu trabalho já foi traduzido em 27 línguas.