Resenha: Se Eu Ficar - Gayle Forman

25 setembro 2014

Edição: 1
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581635415
Ano: 2014
Páginas: 224
Tradutor: Amanda Moura
Adicione do "Orelha de Livro"
Compre AQUI - R$ 14,90


Sinopse: Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais – mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera... e o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente – e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas. 
Resenha:  
"Concentro-me nas notas, imaginando-me tocando, sinto-me grata pela oportunidade de praticar, feliz por estar em um carro quentinho com minha sonata e a minha família. Fecho meus olhos.Você jamais esperaria que o rádio continuasse funcionando depois do que aconteceu, Mas ele continuou."
Quem me acompanha no face, sabe que este livro foi um pouco decepcionante para mim. Eu esperava mais, depois de tanta divulgação e indicação, claro que eu ficaria curiosa para lê-lo, mas não foi bem o que eu esperava... O livro é bonito e a mensagem que a autora passa tbm é bonita, mesmo assim, senti que faltou mais, para um livro que se autodenomina "dramático", do drama mesmo acho que foi pouco desenvolvido.



Em um belo dia de neve no Óregon, Mia e sua família resolvem fazer um passeio de carro. Tudo está indo perfeitamente bem, até que um acidente causa a morte de todos. Menos de Mia, que está em coma, e sem entender o porque, ela consegue ver tudo que se passa a sua volta. Ela desligou-se de seu corpo e agora só pode ouvir e acompanhar os acontecimentos deste triste dia. Mia é uma protagonista jovem, tem apenas 17 anos, musicista talentosa, tímida e muito apegada à sua família. Uma protagonista que poderia ser qualquer menina... ela tem seus sonhos e é perdidamente apaixonada pelo "gatinho" da escola. Mia só não entedia, porque Adam havia escolhido ela... essas e outras questões, serão desvendadas por Mia, enquanto ela decide se vai ou fica.
"Todo esse lance de coma induzido é papo de médico. Não cabe aos médicos. Não depende dos anjos que não podemos ver. Também não depende de Deus, se existir, está em algum outro lugar por aí neste momento. Só depende de mim."
Mia tem um amor lindo pela música. Violoncelista deste muito cedo, o amor pela música vem de família. Seu pai foi baterista em uma banda de rock e sua mãe adora rock. Teddy, seu irmão mais novo já demonstra os traços para a música também, mas Mia é a única na família que gosta de música clássica. Durante 24hs, Mia nos contará sobre seu passado, seus amigos, sua família e seu namorado Adam, que está conseguindo o sucesso com sua banda de punk rock.


A narrativa é em primeira pessoa, narrado por Mia. Acompanhamos seus medos e seu sofrimento com a morte da família. Conhecemos sua melhor amiga Kim e descobrimos o valor real de uma verdadeira amizade. Adam é o namorado mais fofo do mundo! Ele faz de tudo para chegar até Mia para pelo menos tocá-la. O livro é gostoso de ler, a narrativa é contínua, intercalando entre passado e presente. Mia nos conta como é sua família, fala sobre seus avós e seus parentes mais próximos... seus anseios e desejos, como ir para Julliard. Quando está no hospital, ela vai acompanhando as enfermeiras e os médicos para saber como seu corpo está. Também acompanha seus familiares que estão na sala de espera. Mia terá que escolher entre ficar ou partir, mas ao contrário do que a sinopse passa, ela não sabe como isso funciona. Ela não sabe como será sua vida se ela ficar, ou como será do outro lado quando ela partir. É uma dúvida cruel, que deixa o leitor ávido para saber sua escolha, e quando realmente acontece, você fica sem ar, aguardando um final incrível - que não vem!
"- Estou dizendo tudo isso por um motivo - prossegue ela. - Tem mais ou menos umas vinte pessoas lá na sala de espera. Algumas são da sua família, outras não. Mas todos nós somos a sua família agora."

Eu gostei do livro como um todo. A editora caprichou demais  na edição. A capa é linda, e tem algumas imagens do filme, toda fosca com detalhes em verniz na Mia, no título e no nome da autora. Por dentro, o livro continua a surpreender: As folhas possuem notas musicais, os capítulos são separados por horas e em algumas quebras de narrativa, uma Clave de Sol dá um toque a mais. No final do livro, temos um pouquinho do próximo volume - Pra Onde ela Foi? - que será narrado por Adam. Depois disso, uma entrevista exclusiva da autora - Gayle Forman - com Chloë Grace Moretz e Jamie Blackley, os atres que darão vida a Mia e Adam no cinema.

Pra quem gosta de um livro simples, sem muito drama e gostoso de ler, super indico este. Mas não se encha de expectativas, vá com calma e desfrute as páginas, só assim você não se sentirá desolado. Também não pense que você chorará rios... eu confesso que fiquei algumas vezes com os olhos lacrimosos, mas foi só isso. Você vai mais rir do que ficar triste lendo este livro.


"Mas Teddy se foi. Mamãe e papai também. Hoje de manhã, saí com a minha família para um passeio de carro. E agora estou aqui, mais sozinha do que nunca. Tenho dezessete anos. As coisas não deveriam ter acontecido dessa forma. Não é isso que deveria ter acontecido com minha vida."

Avaliação: 




Trailer do filme Se Eu Ficar




Sobre a autora:



Forman começou sua carreira escrevendo para a revista Seventeen em que a maioria de seus artigos, centrada nos jovens e preocupações sociais. Mais tarde ela se tornou uma jornalista freelance para publicações como a revista Details, Jane Magazine, Glamour Magazine, The Nation, Elle Magazine e Cosmopolitan Magazine.
Em 2002, ela e seu marido Nick fizeram uma viagem ao redor do mundo. De suas viagens, ela acumulou uma riqueza de experiências e de informações que mais tarde serviu como base para seu primeiro livro, um diário de viagem que você não pode começar lá a partir daqui: um ano na margem de uma Shrinking World. Em 2007 ela publicou seu primeiro romance para jovens adultos, intitulado de Sisters In Sanity onde ela se baseia em um artigo que tinha escrito para a revista Seventeen. Seu mais recente romance If I Stay (Se eu ficar), fez Forman levar vários prêmios, entre eles o Indie Choice Award de 2010.