Resenha: Não Conte a Ninguém

20 março 2014

3º Livro do Desafio Literário Skoob \o/



Autor: Harlan Coben
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788599296516
Ano: 2009
Páginas: 250
Tradutor: Ivo Korytowski
Adicione no "Orelha de Livro"
Nota: 4/5

Sinopse: David Beck e sua esposa Elizabeth comemoram o aniversário de seu primeiro beijo quando uma tragédia interrompe o clima de romance: Elizabeth é brutalmente assassinada. O caso acaba sendo resolvido e o assassino, condenado. No entanto, David não consegue superar a morte de Elizabeth. Depois de oito anos, ainda se lembra de todos os detalhes. Mas é no dia do aniversário de morte de Elizabeth que a história realmente começa. Uma estranha mensagem aparece no computador de David, uma frase que somente ele e a esposa conhecem. De repente ele depara com o que parecia impossível - em algum lugar, de alguma maneira, Elizabeth está viva. Ele é advertido para que não conte a ninguém e envolve-se em um sombrio e mortal mistério, sem saber que já está sendo seguido por alguém que o tentará deter antes que descubra toda a verdade. 

Resenha:

"Ela permaneceu ali por mais alguns segundos. Depois, disse algo para a câmera. Não pude ouvi-la, mas consegui ler seus lábios.
-Sinto muito- balbuciou minha esposa morta.
E saiu andando. "

Este é o primeiro livro que leio do autor, e confesso que me surpreendi. Não gosto muito de livros com mistérios, fico ansiosa sabe? Monto um quebra-cabeças na minha mente e fico tentando desvendar desesperadamente! Mas não foi o que aconteceu ao ler "Não Conte a Ninguém". Claro que rola aquela apreensão, mas foi tão gostosa a leitura, que quero ler outros títulos do autor em breve!

Neste livro, acompanhamos David Beck, um pediatra que a oito anos atrás, perdeu sua esposa. Todos os indícios levam a crer que ela foi morta por um serial killer, que foi capturado e condenado por outros diversos crimes. Mas tudo muda quando dois corpos são encontrados próximo do lugar onde sua esposa foi morta. A polícia volta a investigar o casa, e as suspeitas antes voltadas para o serial killer, agora recaem em Beck. Beck também não faz muito para ser o inocente. Depois de receber emails anônimos, Beck começa a suspeitar que sua esposa, Elizabeth, esta viva, afinal os emails são com códigos que somente os dois conheciam. A vontade de rever Elizabeth é grande, mas antes de isso acontecer, Beck terá que descobrir o que realmente aconteceu naquela noite, para isso, contará com a ajuda de sua melhor amiga, a modelo Shauna, uma advogada conceituada, Hester e um traficante de drogas que o considera muito, Tyrese.


O envolvimento dos personagens são acima de tudo, perfeitos! O autor soube como levar a história sem ser cansativa. A narração alterna entre primeira e terceira pessoa. Beck conta como tudo aconteceu e chega a conversar com o leitor. Achei maravilhoso esse estilo, não consegui desgrudar os olhos das páginas, tornou-se viciante sabe?

Desconfiei de muitos personagens, e adoro quando isso acontece, mostra que o enredo realmente mexe com o leitor, nos faz pensar nas possibilidades e nos acontecimentos. Só senti falta de um final mais revelador sobre alguns personagens que gostei muito, fora isso, o livro é perfeito!


Com uma diagramação simples, mas muito bem feita, "Não Conte a Ninguém" trás um enredo cheio de ação e suspense, segredos e mentiras, mas também mostra o que um homem apaixonado por sua esposa, é capaz de fazer para te-la de volta. Super recomendado!


"Falar de Elizabeth dói. Dói muito. Traz de volta seu último grito. Traz de volta todas as perguntas não respondidas. Traz de volta todos os "e se..." (poucas coisas, acredite, são mais devastadoras do que os "e se..."). Traz de volta a culpa, o sentimento, por mais irracional que seja, de que um homem mais forte - um homem melhor - poderia te-la salvado."


Sobre o Autor:


Harlan Coben foi o primeiro autor a vencer os três prêmios mais prestigiados da literatura policial nos EUA, o Edgar Award, o Shamus Award e o Anthony Award, encontrando-se atualmente traduzido em cerca de 37 línguas e contando com mais de 20 milhões de exemplares vendidos. A crítica, desde o New York Times, ao Wall Street Journal ou ao Le Monde, tem-lhe dispensado as mais elogiosas referências.