Resenha - A herança de Ana Bolena.

31 janeiro 2013



  • Titulo: A Herança de Ana Bolena
  • No Original: The Boleyn Inheritance
  • Autora: Philippa Gregory
  • Páginas: 476
  • Editora: Record
  • ISBN: 9788501081001
  • Ano: 2008
Sinopse:
Em 1539, toda a corte dos Tudor encontra-se apreensiva. Henrique VIII está doente e envelhecido, com apenas um herdeiro, o pequeno Eduardo, de 3 anos de idade. O soberano inglês precisa de uma nova consorte. No entanto, as três mulheres que frequentaram o leito real sofreram ao lado do poderoso monarca. Interessado em estreitar as relações com a Alemanha - e, por extensão, aliar França e Espanha do tabuleiro político - Henrique VIII negocia um novo casamento, com Ana de Cleves, a qual conhece apenas por uma tela do pintor Hans Holbein. Escolhida para ostentar a coroa inglesa, a jovem consorte pressente que a corte mais se parece com uma armadilha prestes a se fechar a seu redor. Enquanto isso, Catarina Howard, dama de companhia de Ana de Cleves, tem a consciência de que sua beleza é notada por todos os homens da corte - e está disposta a seguir os passos da prima Ana Bolena e tomar o assento ao lado de Henrique VIII. Porém, se há mulher que deseje o poder a qualquer custo, ela é Jane Bolena. Seu passado tem o gosto amargo da traição e morte. Viúva do irmão de Ana Bolena, viu o marido e a cunhada serem executados por traição. Agora, ela tem um único objetivo na vida: manipular o destino da nova rainha e ser, dos bastidores, a mulher mais poderosa da Inglaterra.

Resenha:

Continuando a leitura da série de livros que conta a história dos Tudors, li este A herança de Ana Bolena em quatro dias, um recorde, pois é um livro de quase 500 páginas, e só sendo uma leitura tão interessante para que eu consiga terminar em tão pouco tempo.
Gosto muito de história, mesclo minhas leituras entre livros históricos e ficcionais, para dar um tempo, mas quando me interessa, leio seguidamente, como faço agora com esta série. Não há necessidade de ler estes livros na sequência e nem todos como eu estou fazendo, são livros independentes, mas a autora escreve tão bem que fica impossível não querer continuar.
Neste livro, a história se passa com as próximas esposas de Henrique Vlll, após Catarina de Aragão , Ana Bolena e Jane Seymour, que foram Ana de Cleves e Catarina Howard.
Ana de Cleves, uma jovem criada num pequeno ducado na Alemanha, que não vê a hora de se livrar de um irmão tirano e se tornar a próxima rainha da Inglaterra, que na sua visão trará uma certa liberdade e independência que jamais teria vivendo em sua casa, onde era um tanto desprezada por sua família. Mas, o seu primeiro encontro com o rei Henrique foi muito desagradável, a ponto dele se arrepender do casamento, mesmo assim acaba se casando a contragosto o que torna o clima ao redor muito sombrio e desagradável, e Ana passa a viver amedrontada justamente pelo que tinha acontecido com as rainhas anteriores,  principamente Ana Bolena, decapitada a mando do rei, com várias acusações de traição e até incesto, não provadas, porém ela sabe que ele é o senhor supremo da Inglaterra e qualquer ordem sua, sendo ou não verdade, é cegamente obedecida,  e o seu desagrado com ela, já a tornaria a próxima vítima.
Catarina Howard, prima de Ana Bolena, uma adolescente de apenas 14 anos, uma das cortesãs de Ana de Cleves enquanto rainha, fútil e não muito educada, encantou o rei com sua juventude e falsa inocência,  deslumbrada com as maravilhas da corte, faz o que pode para se tornar a próxima rainha. O rei já não tem idade nem paciência para desposar mulheres cultas e que o ajudem a governar, só deseja uma mulher que lhe dê o pouco prazer que lhe resta enquanto vivo e também que lhe dê um filho, que é praticamente sua obsessão, mesmo tendo três, Mary, sua filha com Catarina de Aragão, Elizabeth, sua filha com Ana Bolena, estas destituídas dos títulos de princesas, criadas como bastardas longe da corte, e do amor paterno e Eduardo, seu filho com Jane Seymour, este sim, criando como futuro rei da Inglaterra, tendo sua atenção exclusiva.
Por trás das duas, está Jane Bolena, irmã de George e cunhada de Ana, que a qualquer custo quer o poder mesmo que para isso precise manipular as rainhas a seu favor, criando situações e intrigas como se fosse um jogo de tabuleiro onde o principal além da sobrevivência, é vencer.

(...)Como a maioria, servi a uma rainha atrás da outra. Como a maioria, acompanhei a moda dos capelos adotada por minha senhora real: capelo Gable, capelo francês, capelo inglês. E nas orações: papista, reformista, católica inglesa. Gaguejei em espanhol, conversei em francês. e me sentei em um silêncio introspectivo e costurei camisas para os pobres. Não há muito sobre as rainhas da Inglaterra que eu não saiba, que eu não tenha visto. E logo verei a próxima e saberei de tudo a seu respeito: seus segredos, suas esperanças e suas deficiências. E talvez, até mesmo em uma corte cada vez mais amedrontada sob o governo de um rei que se torna um tirano mais inclemente a cada dia, mesmo sem meu marido e mesmo sem Ana, aprenderei a ser feliz de novo.(...) -Pág. 39

Muito interessante o desenrolar das histórias das duas rainhas, o modo como chegaram ao trono e lidaram com um rei já maduro, inconstante, beirando a loucura e não mais considerado o mais belo rei de sua época.  O medo que assombrava a corte desde a morte de Ana Bolena, onde qualquer passo em falso era um convite ao cadafalso e ter sua cabeça decapitada ou ser condenado a viver preso na Torre até enlouquecer, é uma leitura um tanto tensa e por vezes bem divertida, e nos faz viajar mais uma vez para a Inglaterra do século XVl, na corte do rei mais poderoso que já existiu. 
Vale muito a pena conferir, não só para quem gosta de história e sim aos apreciadores de um bom romance cheio de intriga, traição e jogos de poder.

Para quem se interessar a sequência dos livros é esta:
  • A princesa leal
  • A irmã de Ana Bolena
  • A herança de Ana Bolena
  • O bobo da rainha
  • O amante da virgem
  • A outra rainha